A DISTÂNCIA DA PALAVRA E DA ATUAL IGREJA

Por Alessandra Saraiva

Filipenses 2 –  1. Portanto, se há alguma exortação em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão do Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões, 2. completai o meu gozo, para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, pensando a mesma coisa; 3. nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo; 4. não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
Quando eu leio estes versículos sinto meu coração apertar pela distância que existe entre ele e a atual Igreja.
As palavras “consolação de amor” e “comunhão do Espírito” estão tão raras. Deveria haver um mesmo modo de pensar, que ensina que a santidade é estar totalmente disponível ao seu próximo acolhendo-o, ensinando-o em amor; que devemos considerar os outros superiores a nós e servi-los, pensamentos estes que nos trarão um mesmo animo para exercer o amor que Jesus nos ensinou através de toda sua vida aqui na terra.
Vamos voltar a Palavra? Vamos viver a humildade, o amor incondicional, o perdão e a ausência de julgamento?
Vamos resgatar o verdadeiro significado de sermos o povo mais feliz da terra, que é o de termos a vida eterna e a autoridade, através do nome de Jesus, para trazer muitos outros para o Reino de Deus.
Mas não conseguiremos uma alma sequer se nos fecharmos em nossos próprios clubes gospel, vivendo de eventos e corações repletos de egoísmo e preconceitos.

Alessandra é diaconisa na Ibatis-RV, pedagoga no Centro Educacional Batista e dirijo o Grupo de discipulado e adoração TRIBO DE JUDÁ. 

Deixe seu comentário.